Quem Somos Quem Somos – 28º Tabelião de Notas
Usamos cookies para garantir a você a melhor experiência no nosso site. Se continuar navegando, supomos que você aceita esta prática. Eu aceito Política da privacidade
Quem Somos

Tabelião focado na região.

Inicialmente instalado na Penha, no ano de 1975, o 28º Tabelionato de Notas da Capital está localizado em um dos locais mais conhecidos do Tatuapé; a cerca de 200 metros da Praça Silvio Romero. Seu primeiro Tabelião foi João Batista Padovan, que permaneceu à frente da serventia até os fins de 1981. Foi Padovan quem transferiu a serventia da região da Penha para própria Praça Silvio Romero em 1980, permanecendo neste endereço por 21 anos.


“Nossa clientela é de varejo. Não há grandes clientes, temos o morador da região, da zona leste e que sabe que nos encontrará neste lugar, pois estamos somente nesta rua há nove anos”, afirma Sérgio Watanabe, atual Tabelião do 28º e que assumiu a serventia em 2005, após ser aprovado no 3º Concurso. “Quando houve a mudança da Praça Silvio Romero para a atual localização, muitas pessoas ficaram perdidas, e até hoje há quem procure a serventia por lá”, comenta. O bairro do Tatuapé foi visto pelo tabelião da época como um local central de atendimento região da zona leste e com facilidades de transporte. Embora muitos tabelionatos se encontrem na região central, este se orgulha na caracterização de um cartório “de bairro”. De acordo com Watanabe, “na época, as pessoas que o procuravam na Penha, eram boa parte do Tatuapé, então foi resolvido aproximar o cartório dessas pessoas”.


O atual tabelião teve uma longa história antes de assumir o cargo. Iniciou sua carreira na Academia de Cadetes da Aeronáutica, recebendo inclusive instruções de voo. Pediu desligamento no início do terceiro ano e passou para a engenharia, formando se no Instituto de Tecnologia de Aeronáutica (ITA). Trabalhou por quatro anos na função, no “chão de fábrica”, o que acredita ter dado experiência para lidar com pessoas. “O aprendizado que tive lá posso aplicar hoje aqui no cartório, ao lidar com as pessoas que me procuram”, revela. Durante o desempenho da engenharia resolveu prestar concurso público, o que o levou para o cargo de Analista de Finanças e Controle Externo no Tribunal de Contas da União. Durante a faculdade de Direito, cursada na Universidade de Brasília (UnB), prestou o segundo concurso público, sendo aprovado assumiu o cargo de Consultor de Orçamento na Câmara dos Deputados, participando de algumas CPI’s. Nesta fase seguinte, decidiu prestar um novo concurso, desta vez para Juiz do Trabalho. Chegando às etapas mais próximas para se tornar juiz teve conhecimento da existência de concursos para cartório. “Achei que cartórios apenas passassem de pai para filho, não conhecia esse sistema”, assume Watanabe. Quando soube da possibilidade se sentiu atraído, pois “além de ter a possibilidade de operar o Direito, trabalharia com questões administrativas”.


Sendo assim, em 2003 foi aprovado para instalar o Registro de Títulos e Documentos em Ribeirão Preto e veio morar em São Paulo pela primeira vez. Em 2005, ano em que ocorreu o 3º Concurso para Tabelionato de Notas, foi novamente aprovado e assumiu – no dia 17 de maio – a serventia do bairro do Tatuapé. Além de Tabelião, faz parte do Conselho de Ética do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo (CNB-SP).